Arte, Subdesenvolvimento e Fome

com
Moacir dos Anjos
> As expressões artísticas brasileiras nas décadas de 1950 a 1970.

/data

19 e 20 de abril de 2021

segunda e terça, das 19h às 21h30

/valor

Sentimos muito, mas todos os bilhetes tiveram suas vendas finalizadas porque o evento já ocorreu.

As inscrições estão encerradas.

Deixe seu contato e avisaremos quando houver uma nova edição deste curso.

/compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

/conteúdo

A economia, a política e a cultura no Brasil estiveram, entre meados da década de 1950 e fins da de 1970, sob forte influência do conceito de subdesenvolvimento. Dos ensaios e propostas de Celso Furtado a respeito da situação socioeconômica da América Latina aos textos e filmes de Glauber Rocha, havia a compreensão de que o subdesenvolvimento seria tanto uma “condição” para aqueles que ali viviam (“da adversidade vivemos!”, afirmava Hélio Oiticica) e também algo a ser superado a partir de suas próprias contradições. O conceito de subdesenvolvimento informou os filmes associados ao Cinema Novo, os escritos sobre a vanguarda de Ferreira Gullar e também parte da chamada “arte experimental” feita no período, sendo ainda elemento nuclear do único manifesto escrito do Tropicalismo, publicado em 1968 pelo poeta Jomard Muniz de Brito. 

Este curso pretende discutir, em duas sessões, como a produção artística brasileira do período incorporou, temática e formalmente, os paradoxos desse contexto histórico, podendo ser por isso chamada de uma “arte subdesenvolvida”. O elemento central do curso será a ideia de fome, sintoma do sofrimento de muitos dos que vivem sob uma condição subordinada no mundo e operador central na luta para subverter as desigualdades que produzem e preservam a escassez de alimentos. Se necessário, pela violência inerente a uma “estética da fome”. 

Entre os artistas, cineastas, músicos e escritores comentados no curso incluem-se Anna Bella Geiger, Anna Maria Maiolino, Artur Barrio, Caetano Veloso, Carolina Maria de Jesus, Ferreira Gullar, Glauber Rocha, Hélio Oiticica, João Cabral de Melo Neto, Leon Hirszman, Lygia Pape, Solano Trindade, Tunga, entre outros.

 

Bibliografia

Castro, Josué de. Geografia da fome. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2011.

Favaretto, Celso. Tropicália: alegoria, alegria. Cotia, Ateliê Editorial, 2000.

Furtado, Celso. Teoria e Política do Desenvolvimento Econômico. São Paulo, Editora Nacional, 1968.

Gomes, Paulo Emílio Sales. “Cinema: trajetória no subdesenvolvimento”. Em Gomes,

Paulo Emilio Sales, Cinema: trajetória no subdesenvolvimento. São Paulo, Paz e Terra, 1996. 

Gullar, Ferreira. Vanguarda e Subdesenvolvimento. Ensaios sobre arte. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1984.

Jesus, Carolina Maria de. Quarto de despejo. Diário de uma favelada. São Paulo, Ática, 2014.

Oiticica, Hélio. “Esquema geral da Nova Objetividade”. Em Oiticica Filho, César (org.). Hélio Oiticica. Museu é o mundo. Rio de Janeiro, Beco do Azougue, 2011.

Oiticica, Hélio. “Anotações sobre o parangolé”. Em Oiticica Filho, César (org.). Hélio Oiticica. Museu é o mundo. Rio de Janeiro, Beco do Azougue, 2011.

Oiticica, Hélio. “Brasil diarreia”. Em Oiticica Filho, César (org.). Hélio Oiticica. Museu é o mundo. Rio de Janeiro, Beco do Azougue, 2011.

Rocha, Glauber. “Eztetyka da fome”. Em Rocha, Glauber. Revolução do Cinema Novo. São Paulo, Cosac Naify, 2004.

Rocha, Glauber, “O Cinema Novo e a aventura da criação”. Em Rocha, Glauber. Revolução do Cinema Novo. São Paulo, Cosac Naify, 2004.

Rocha, Glauber. “Tropicalismo, antropologia, mito, ideograma”. Em Rocha, Glauber. Revolução do Cinema Novo. São Paulo, Cosac Naify, 2004.

Schwartz, Roberto. “Cultura e política, 1964-1969”. Em As ideias fora do lugar: ensaios selecionados. São Paulo: Penguin Clássicos Companhia das Letras, 2014 (texto originalmente publicado em 1970).

Veloso, Caetano. Verdade Tropical. São Paulo, Companhia das Letras, 1997.

 

 

Aluno

Público-alvo: aberto a todos os interessados

Carga horária total – 2 encontros – 5h

*Este curso é oferecido na modalidade ONLINE, portanto é necessário ter acesso à internet. As aulas irão acontecer ao vivo no aplicativo ZOOM. Indicamos que o participante tenha um computador ou celular com câmera e microfone.

*Não conseguiu assistir a algum dos encontros ao vivo? Basta solicitar a gravação da aula para nossa equipe de atendimento no email atendimento@barco.art.br ou no whatsapp (11) 98987-8011. As gravações são enviadas em links pessoais e intransferíveis, ficando disponíveis por 7 dias corridos após a realização da aula ao vivo.

*foto: Alcione Ferreira.

sobre o professor

Professor

  • Moacir dos Anjos
    Moacir dos Anjos (Recife, 1963) é pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco, no Recife, onde coordena o projeto de exposições Política da Arte. Foi diretor do Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães (2001-2006), Recife, e pesquisador visitante no centro de pesquisa Transnational Art, Identity and Nation, University of the Arts London (2008-2009). Foi curador do pavilhão brasileiro (Artur Barrio) na 54ª Bienal de Veneza (2011) e curador da 29ª Bienal de São Paulo (2010). Foi curador das mostras Cães sem Plumas (2014), no MAMAM, A Queda do Céu (2015), no Paço das Artes, São Paulo, Emergência (2017), no Galpão Bela Maré, Rio de Janeiro, Quem não luta tá morto. Arte democracia utopia (2018), no Museu de Arte do Rio, Raça, classe e distribuição de corpos (2018) e Educação pela pedra (2019), as duas últimas na Fundação Joaquim Nabuco, além de várias outras. É autor dos livros Local/Global. Arte em Trânsito (2005), ArteBra Crítica (2010) e Contraditório. Arte, Globalização e Pertencimento (2017), além de editor de Pertença, Caderno_SESC_Videobrasil 8, São Paulo (2012).