As Narrativas da Memória na Literatura

com
Ingrid Fagundez
> Modos de usar e pensar a memória na produção literária.

/data

10, 17 e 24 de junho e 1 de julho de 2021

quintas, das 19h às 21h

/valor

Detalhes Preço Qtd
Desconto à vistaMais Detalhes  R$280,00 (BRL)   Encerrado
Parcelado - 2xMais Detalhes  R$150,00 (BRL)   Encerrado

As inscrições estão encerradas.

Deixe seu contato e avisaremos quando houver uma nova edição deste curso.

/compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

/conteúdo

A memória é uma das principais matérias-primas de toda literatura, seja ela próxima à realidade ou ficcional. Muitas obras apoiam-se nesse material tão frágil, cheio de lacunas, e é com elas que o escritor deve lidar quando transforma a vida em narrativa. Num momento em que o presente parece suspenso e vive-se buscando um passado mais inocente, o curso vai tratar das possibilidades e limitações que a memória oferece ao autor, com ênfase nos gêneros não-ficcionais, como memoirs, diários, autobiografias, biografias e obras híbridas. Das recordações pessoais às coletivas, as aulas tratarão do papel da memória em vários tipos de manifestação literária, como ordenação da experiência ou testemunho político, de Drummond a Primo Levi, de Natalia Ginzburg a Maya Angelou. 

 

 

Cronograma

1ª aula – A primeira memória e o mito de formação: a importância da primeira memória para a formação do escritor, como mito fundador. O lugar dos memoirs de infância na literatura, de Graciliano Ramos e Drummond a Maya Angelou e Isabela Figueiredo. Os buracos e invenções na história infantil. 

 

2ª aula – A memória familiar:  um histórico dos memoirs de família, exemplos de autores que marcaram o gênero, como Natalia Ginzburg e Zélia Gattai, e o valor da experiência geracional na compreensão do hoje. 

 

3ª aula – As lacunas da memória: as possibilidades e armadilhas da natureza falha das recordações. Os traumas e os esquecimentos pessoais e coletivos, com os escritos de Marcel Proust e Katja Petrowskaja. O que significa o não lembrar? O que representam as lembranças que sobram? Na narrativa, é preciso preencher as lacunas?

 

4ª aula – A memória coletiva: o papel da literatura para evitar o apagamento de injustiças históricas. Os diários de homens e mulheres escravizados, os registros do Holocausto e as páginas que relembram as ditaduras latino-americanas. Um passeio pelos escritos de Paolo Rossi e Jeanne Marie Gagnebin sobre o assunto.  

 

Aluno

Carga horária total: 8h – 04 encontros

Para: Todos os interessados em literatura, sejam eles aspirantes a escritor (que desejam aplicar os conhecimentos discutidos no curso em seus livros) ou leitores empenhados (que queiram ler suas obras preferidas com mais consciência, compreendendo as decisões tomadas pelo autor). E todos que se interessem pelo papel da memória na literatura. 

*Não conseguiu assistir a algum dos encontros ao vivo? Sem problemas, nós enviamos a gravação da aula no dia seguinte, por email, em links pessoais e intransferíveis que ficam disponíveis por 7 dias corridos após a realização da aula ao vivo.

*Todos os cursos do b_arco oferecem certificado de aproveitamento, com detalhamento de carga horária, que são enviados por email 1 semana após o encerramento do curso.

Bibliografia:

Afetos Ferozes, de Vivian Gornick

Becos da Memória, de Conceição Evaristo 

É Isto Um Homem?, de Primo Levi 

Esquecer para Lembrar, de Carlos Drummond de Andrade

Eu sei por que o pássaro canta na gaiola, de Maya Angelou

Incidentes na Vida de uma Menina Escrava, de Harriet Ann Jacobs

Infância, de Graciliano Ramos

Lembrar Esquecer Escrever, de Jeanne Marie Gagnebin

Léxico Familiar, de Natalia Ginzburg

Memória e Sociedade – Lembranças de velhos, de Éclea Bosi

No caminho de Swann, de Marcel Proust

Recordações de família, de Marguerite Yourcenar

Talvez Esther, de Katja Petrowskaja

 

 

 

sobre o professor

Professor

  • Ingrid Fagundez
    Ingrid Fagundez é formada em Jornalismo pela UFSC e pós-graduada em Biografia e Gêneros de Não Ficção pela University of East Anglia. Foi repórter da Folha de S. Paulo e do serviço brasileiro da BBC, escrevendo sobre política, cultura e comportamento. Atualmente é professora de não-ficção literária da pós-graduação em formação de escritores do Instituto Vera Cruz.