\blog

Na próxima semana, o b_arco irá promover em parceria com Duda Leite, o curso “As Histórias dos Videoclipes QUEER”. Neste curso online, serão discutidos clipes de artistas e bandas da comunidade LGBTQIA +, de grandes diretores queer que ajudaram a desenvolver a linguagem dos videoclipes, as aulas irão abordar os principais momentos dessa história estética e política.

Uma das figuras queer mais importantes do século XX, foi o escritor, autor teatral, poeta e cineasta francês Jean Genet. Por isso, nas indicações de hoje do blog do b_arco, Duda Leite traz algumas referências ligadas ao trabalho do artista! Confira abaixo:

Genet é o autor de livros como Diário de um Ladrão e Nossa Senhora das Flores, e peças como O Balcão e As Criadas, ambas montadas no Brasil. Em 1982, o cineasta alemão Rainer Werner Fassbinder dirigiu “Querelle”, baseado numa das obras de Genet.

Um de maiores admiradores de Genet era o também poeta, cineasta, artista e escritor Jean Cocteau, além do filósofo Jean-Paul Sartre.

Em 1950, Genet dirigiu o curta metragem “Canção de Amor” (Un Chant D’Amour), onde filma as fantasias sexuais de um guarda, que espia prisioneiros hipersexualizados em suas celas, fantasiando uma ligação entre eles. O filme é um marco do cinema LGBTQIA+ e ajudou a criar uma estética queer ligada ao universo underground, que serviu de inspiração para vários videoclipes de décadas seguintes como, por exemplo, os clipes das bandas inglesas Frankie Goes to Hollywood e Soft Cell. O filme está disponível na íntegra, no link abaixo.

Clipe de RELAX da banda Frankie Goes to Hollywood: